Desenhos – de Ramonn Vieitez

VOLTAR

Desenhos

Até o momento, o público só conhecia as pinturas de Ramonn Vieitez. Telas com cores, contextos, óleo, pop,guache, aquarela, melancolia, violência, beleza, florestas, cidades pichadas, rapazes com máscaras, facas, folhas de ouro, paredes pretas…Vida contemporânea,informação.

Uma chave criativa virou e essa é a primeira vez que o artista expõe seus desenhos. Lápis negro sobre papel. Mais nada. E foi exatamente para dar um respiro dos pincéis, que Ramonn começou a experimentar com o lápis. Mas o desenho é o inconsciente da pintura: se dela fugimos, para sua essência voltamos.É como quem se obriga a acordar de um pesadelo e, na noite seguinte, tem o mesmo sonho de novo. Pulsão. Antes de pintar, Vieitezsempre desenha as linhas fundamentais. Porém,nunca havia exposto seus desenhos como produtos finais.

Vemos jovens rapazes. Sim, eles ainda são os protagonistas das criações. Porém, agora estão desprovidos de cenário, de vestuário, de corpo. Vemos só o rosto. E Ramonn não nos dá outras pistas: é só olho no olho. Às vezes, eles estão nos olhando de volta. É sobre ser provocado. Mas,outras vezes, apenas olham para o nada, pro lado, pra baixo.É sobre ser ignorado.  E, quando não nos encaram de volta, duvidamos da nossa própria presença ali. Em suma, estamos diante das duas faces da juventude: provocaçãoirresistível ou indiferença calculada.

É esse ar de rebeldia que parece passar pelos lábios entreabertos dospersonagens, nos seduzindode maneira tão sensorial. Pode ser que a boca esteja abrindo para soltar um “tá olhando o quê?”. Mas pode ser que a boca se abra para dizer: “chega mais perto, vem mesmo me ver”. Embora seja “só”grafite preto em papel branco – sem textura, sem esfumaçado,sem truques rebuscados, transparece a pele, a temperatura, o temperamento,desses garotos.

Ramonn conhece todos. Mas nenhum deles posou como seu modelo-vivo. O artista se sentiria incomodado em se expor desse jeito para alguém – ele confessou. Ironia de quem, mesmo não mostrando corpos, desnuda seus personagens. Dos vintetrabalhos expostos, apenas um configura um corpo. E ele se chama “Sombra”. Porque é justamente no movimento anatômico e nas variações de luz que serevela nuances,se cria relevos. É no jogo de mostra/esconde que se constrói o desejo.

A aparente estática dos desenhos também é quebrada quando eles são expostos em sequência. “Distante 1, 2 e 3 (Retrato de Jeremy Abbott)” e o díptico “Sem título” fazem parecer que os personagens estão se movimentando para que nós vejamos diferentes ângulos de suas fisionomias. São exibicionistas ou é a gente que sempre quer reparar mais?

Entre os anônimos rapazes“sem título”, um jovem Chico Buarque. Desenho encomendado, que compartilha da beleza rebelde, da atitude punk-sedutora eda poética-transgressora de todos os outros. E, além de “Ton”, também recebem nomes: “No teu rosto”, “Noite”, “Ontem” e “Nightmare”. Ao batizar estes moços como quem dá título a um poema, Ramonn explicita que as pessoas não ficam na nossa memória por causa de seus nomes, maspor causa de suas histórias.

Destaque para a narrativa de “Nightmare”: ao ler seu rosto e descobrir que seu nome é “pesadelo”, percebemos instantaneamente que ele acabou de acordar de um sonho ruim. Desorientado e perturbadoele, transfere seus sentimentos para quem o encara: ora, se ele acabou de acordar, ainda está deitado. Se está deitado, eu o vejo de cima (e não de frente). Como é que eu acabei encima dele?

Há ainda “O Flamingo” e “Não vou falar teu nome”. A ave e o alce. E eles nada mais são do que rapazes em corpos de bicho. Ao incorporar o que é retoricamente empregadode modo pejorativo, o artista recorre à ironia de maneira sutil, trazendo traços de resistência à sensibilidade do conjunto.

O desenho (sobretudo da figura humana) é umtema tão antigo que se confunde com a própria história da arte, mas continua reencontrando suas possibilidades expressivas na contemporaneidade, revelando grande potênciapara abranger questões que vão desde o desejo e a sensualidade até dimensões sócio-políticas e da sexualidade. Os trabalhos de Ramon Vieitez não constituem uma simples relação bidimensional entre lápis epapel, mas algo de natureza psicológica e afetiva, que percorre oscorpos, rompendo os limites da representação tradicional.

 

Ontem tive um Pesadelo.

No teu rosto, Distante, vi a Sombra da Noite.

Mas não se preocupe, Ton.

Não vou falar teu nome.

Te nomearei como obra “Sem título”.

Outra noite, outro sonho.

Mesmos olhos, outro corpo.

Dessa vez vi O Flamingo.

Mas, de novo, era você.

Retrato do meu desejo escondido.

 

 

Texto: Ludimilla Fonseca